quarta-feira, 7 de março de 2007

Prisma humano


Descolorida é a morte. Sem aquarela, sem cores vivas, desbotada. Mas quem morre, vive, seja em lembranças boas ou ruins. E todos morrem e relembram. Nem todos vivem, porque isso não é apenas um verbo, sequer um verso. É essência, é dor e mistério. Fundamentalmente, atitude!

No Brasil não há neve como na Europa; os europeus são menos negros que os brasileiros. Até os nossos céus possuem azuis diferentes. Mas somos semelhantes nas cinzas da desgraça, do atentado terrorista ou da chacina esquecida.

Enlouquecemos juntos, com a belaza do arco-íris. Nele, uma ponte sem lei e destino nos leva para lugar algum. Cores misturadas dão origem a outras cores. Humanos misturados poderiam possuir os mesmos pensamentos? Não, pois o universo é incolor, ciano, margenta, black e yellow. A pomba, guardiam de nossa maior esperança, pode ser branca. No entanto, ela viaja pelo sentimento negro, que reside acima de nossas cabeças e atinge, em cheio, nosso coração.

O sangue é vermelho e poderia, também, ser fluorescente. Quem sabe desta maneira, as VÍTIMAS chamariam mais atenção do que a coloração das capas de jornais? Assim seguimos: numa realidade colorida, fotografada em preto-e-branco.

16 comentários:

menina Flor disse...

Somos todos iguais na morte, pelo menos.... talvez também na dor e na vida esquecida!!!
engraçado, estava com tua página aberta (entre muitas) quando recebi o email de teu comentário (conhecidência, não?)

A.J. MARTIN disse...

Caramba... fiquei de queixo caído!
hehehehehehehehe
Sensacional!
Parabéns!

Thiago Kuerques disse...

E eu bem acredito que deviamos repintar tudo em preto e branco. Igualmente descoloridos todos se respeitariam como semelhantes.
Nada a mais nem a menos.
Abraços

Anninha Avelheda disse...

Cara-Nova Perfeitíssima!
Concordo com o que o Thiago K. disse! Se fôssemos igualmente descoloridos, respeitaríamos mais uns aos outros. Com toda essa cor que o mundo nos oferece, nos [pré]julgamos mais dignos de respeito, mais Verdadeiros, Melhores, em todos os sentidos!!
Um Brinde ao P&B!
Beijinhos

Perdidamente... disse...

Obrigada por seu comentário!
Continue atento e divulgue!
De Lisboa um abraço amigo para o outro lado do oceano!

Milene Maciel disse...

Um Céu tão azul, corações vermelhos batendo no ritmo do momento, a felicidade seguindo a tendência da moda... As vezes amarela com bolinhas, às vezes cinza cheia de riscos.

Em um mundo multicolorido, qual é a cor do Preconceito?!
Da Desigualddae, do Medo, da Fome... da Morte?!

Vivemos em um mundo de extremos...

Enquanto uns enxergam as cores, sempre tão vivas...
Outros vivem num Universo incolor!

Linda a nova aparência!
=)

Beijão!

caio arroyo disse...

Interessante demais esse texto, so qndo morremos que dai viramos igual ,infelizmente

Wagner disse...

A morte: o fim de todos os sonhos...
a única imagem da extinção...

abraço.

Jô Beckman disse...

"No Brasil não há neve como na Europa; os europeus são menos negros que os brasileiros. Até os nossos céus possuem azuis diferentes. Mas somos semelhantes nas cinzas da desgraça, do atentado terrorista ou da chacina esquecida". Adorei essa combinação de palvras e cores! belo texto!

B. disse...

Humm.. interessante a idéia que desenvolveu.
Mas os negros daqui não são mais negros que os negros da Europa (as misturas de raças foram muito mais intensas aqui, coisa que não acontece lá; logo é, exatamente, o contrário). E, ah, aqui há neve sim. Só não nos Estados onde habitamos, infelizmente, ao meu ver.
Acho que se somos coloridos, todos os outros também são. Afinal não acredito em culturas melhores ou piores, inferiores ou superiores. A diferença é no valor que resolvemos dar a nós mesmo, que aqui é quase nulo e lá é muito exagerado.

B. disse...

E é uma pena que tenha esquecido a reunião do Onabru que marcamos hoje, infelizmente não foi o único. Só conseguimos dois textos hoje (o meu e o do Thiago).
Só avisando que se continuar assim, eu não vou desistir do projeto, mas vou mudar os participantes...
Só um aviso mesmo, sem maiores danos ou mágoas.

Conceição Bernardino disse...

Avancemos com o amor

avancemos com o amor
porque a partir de hoje
esquecemos tudo o que
nos soa a duvidoso
valor estendemos nas
mãos o tecido das nossas
trocas amor vem comigo
retomar o caminho em
que nos soltámos um dia
em passeios pela
alma

Poema da autora “Marita Ferreira” do livro “Múltiplos de ti”

Vale apena reflectir neste poema está cheio de verdade
Beijinhos
ConceiçãoB
http://amanhecer-palavrasousadas.blogspot.com

Dindy disse...

Adorei o texto, a cada dia que passa me comove mas as coisas as quais escreve. Novamente parabens...
Nunca vou me cansar de dizer que admiro você ...
Te amo!!!
Beijos estrelado...

Raysla Camelo disse...

Uau!
Isso ficaria lindo na página de crônicas do jornal local daqui.

Conceição Bernardino disse...

Olá,


O mistério da vida é percorrer até ao fim.
Sentir, amar, desfrutar, porque a única certeza que temos...será certamente que um dia iremos morrer...com a esperança que voltaremos a nascer!


Beijinhos
ConceiçãoB
http://amanhecer-palavrasousadas.blogspot.com

TÂMARA disse...

suas palavras são tocantes!!!!pois visa a mais pura realidade de nossas vidas!!!amei o que escrevestes...morte ou vida...hoje em dia qual sera a que realmente mata?????bjs>>>>>>>ha!obg pelo comentario do meu blog!!!!xero!e parabens